Periodicidade: Diária - Director: Armando Alves - 20/09/2018.
 
 
CRÓNICA DA CORRIDA DE TOIROS EM TOMAR
CRÓNICA DA CORRIDA DE TOIROS EM TOMAR
27 de Agosto de 2018

Por razões totalmente alheias ao FORCADILHAS E TOIROS não são apresentadas imagens da corrida

A Praça de Toiros José Salvador, em Tomar, recebeu este sábado, pelas 22 horas a última corrida da sua temporada e contou com cerca de 1/4 de casa.

Repartiram o cartel com o anfitrião Rui Salvador, os cavaleiros Manuel Telles Bastos e Francisco Palha. Pelo Capítulo das ramagens estiveram presentes o GFA da Tertúlia Tauromáquica do Montijo, o GFA do Montijo e o GFA de Tomar. O Curro da Ganadaria Monte Cadema, rico em trapio e bravura, toiros sérios que encheram esta noite de emoção. Abrilhantou a corrida a Banda De Música da Sociedade Recreativa e Musical da Pedreira.

Abriu a noite Rui Salvador, com um oponente Negro, bravo, que investiu durante toda a lide, e bastante bem constituído.  Rui Salvador teve uma prestação correta e acertada, destacando-se o segundo e terceiro ferros curtos. Teve direito a música logo a partir do primeiro curto. Rui Salvador abriu esta noite com emoção!

A pega deste primeiro toiro ficou a cargo do GFA da Tertúlia Tauromáquica do Montijo, pelo forcado Tiago André, que a consumou, e bem, ao primeiro intento.

Cavaleiro e Forcado deram a volta à arena.

Seguiu-se Manuel Telles Bastos frente a um toiro, que saiu lançado dos curros em direção ao cavaleiro, com muita pata. Salvou-o do susto o colega de cartel Rui Salvador que saiu a quite parando a perseguição ao cavaleiro. Manuel Telles Bastos teve uma lide correta frente a um oponente que avançava demasiado. Cravou uma série de curtos de mérito. Teve direito a música logo a partir do primeiro curto.

A pega deste exemplar foi consumada à primeira tentativa pelo GFA do Montijo, pelo forcado Paulo Damásio.

Cavaleiro e Forcado deram a volta à arena.

A terceira lide da noite foi talvez a mais fraca, protagonizada por Francisco Palha frente a um oponente Lucero de capa, muito manso e que não colaborou. Apesar das dificuldades provocadas por este toiro, Francisco Palha mostrou-nos a qualidade e elegância a que já nos habituou, sendo destacado o terceiro ferro comprido e os dois palmitos com que terminou a lide.

Para a terceira pega da noite, consumada ao primeiro intento, saíram os forcados da terra. À cara foi o forcado Paulo Parker que nesta noite se despediu das arenas.

O diretor da corrida autorizou a volta ao cavaleiro e ao forcado, mas Francisco Palha recusou a volta. O forcado deu a volta à arena sozinho, tendo sido muito acarinhado pelo público.

Após um intervalo de sensivelmente dez minutos volta Rui Salvador à arena, frente a um oponente que saiu lançado dos curros. Esta, que foi a melhor lide da noite, teve destaque para o segundo ferro comprido e para o primeiro e último curtos. Ao fim do primeiro ferro curto, numa sorte de violino, já Rui Salvador toureava ao som da música. Ainda cravou um sexto ferro curto a pedido insistente do público presente.

A Pega deste exemplar ficou a cargo do GFA da Tertúlia Tauromáquica do Montijo, pelo forcado Pedro Galamba, que a consumou ao primeiro intento.

Cavaleiro e forcado deram a volta à arena.

Na sua segunda lide da noite, Manuel Telles Bastos esteve perante um oponente Negro, que apesar de não apresentar uma bravura extraordinária, foi um oponente que colaborou ao longo de toda a lide. Manuel Telles Bastos realizou uma lide ao estilo da família Telles, correta, acertada e ritmada, sempre com ferros de bom tom sendo que o mais destacado terá sido o quinto ferro curto.

Para este exemplar saiu à praça o forcado José Pedro Suissas, pelo GFA do montijo, que consumou esta pega à primeira tentativa.

Cavaleiro e forcado deram a volta à arena.

Para terminar esta noite, Francisco Palha teve pela frente o oponente mais complicado da noite, que cedo se refugiou em terrenos de tábuas. Apesar de tudo, com toda a sua elegância o cavaleiro tentou sempre tirar o melhor partido da situação, sendo que toureou também mais em terreno de tábuas, indo ao encontro do seu adversário. Não começou esta lida da forma ideal mas terminou a lide com um ferro curto perfeito que levantou mais de metade do público da praça.

A Pega, a cargo do GFA de Tomar, foi consumada por Hélder Parker, a sesgo, apenas ao quarto intento, tendo sido a pega mais complicada da noite.

Tanto o cavaleiro como o Forcado deram a volta à arena.

Uma noite de Verão fria, mas com muita emoção em praça, onde Rui Salvador, que jogava em casa conseguiu triunfar frente aos oponentes que lhe calharam em sorte.

Ana Silva