Periodicidade: Diária - Director: Armando Alves - 20/06/2019.
 
 
IMAGENS E CRÓNICA DA CORRIDA INAUGURAL DA TEMPORADA LISBOETA
IMAGENS E CRÓNICA DA CORRIDA INAUGURAL DA TEMPORADA LISBOETA
13 de Abril de 2019


A presente obra está protegida ao abrigo do Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos.
A utilização não autorizada pode configurar a prática de um crime de usurpação ou contrafação (arto.s 195o e
196o do CDADC) para além de incorrer em irresponsabilidade civil conducente a um pedido de
indemnização.
© 2018, Armando Alves



Curro de António Silva Triunfa no Campo Pequeno

Abriu dia 12 de Abril, a temporada tauromáquica Lisboeta no Campo Pequeno, com cavaleiros triunfadores a repartirem cartel: António Ribeiro Telles, Rui Fernandes e Duarte Pinto. As pegas dos seis toiros António Silva ficaram a cargo dos Grupos de Forcados Amadores de Montemor e de Vila Franca de Xira, capitaneados respetivamente por António Vacas de Carvalho e Vasco Pereira. Para a história da tauromaquia fica esta corrida por ter sido a primeira a ser dirigida por uma mulher: Laura Gregório de Oliveira, que, apesar de algumas falhas no que tocou a premiar os cavaleiros com música, dirigiu a corrida de forma correta.

O primeiro toiro, “Bicudo” de 532 kg, ficou à responsabilidade de António Ribeiro Telles, que conseguiu cravar excelentes ferros apesar da falta de vontade do animal. Destaque para o terceiro e quarto ferros curtos que foram excelentes. O toureiro teve uma lide correta na qual conseguiu mostrar a sua arte apesar do oponente não colaborar. A primeira pega da noite ficou a cargo do GFA de Montemor, com o Forcado Francisco Barreto a consumar a pega à primeira tentativa. António Ribeiro Telles teve direito a música durante a lide e deu a volta à arena acompanhado pelo frocado.

Rui Fernandes defrontou-se com um toiro com trapio, de 588kg. Abriu a lide com o Ilusión e esteve bem nos compridos. Nos curtos, com algumas batidas ao piton contrário esteve bem, mas sem nunca arriscar muito. Foi no geral uma lide correta e ritmada, premiada com música. Pelo GFA de Vila Franca de Xira, o forcado David Moreira consumou a pega ao primeiro intento. Rui Fernandes e David Moreira deram volta à arena.

Seguiu-se Duarte Pinto frente a um animal de 544 kg com uma faena que foi de menos a mais. Falhou um ferro comprido, mas nos curtos já estava à vontade. O terceiro curto foi um ferro de destaque e cravou um quarto a pedido insistente do público, ainda assim não teve direito a música durante a sua lide. Para a pega, pelo GFA de Montemor, foi à cara o forcado João da Câmara que consumou a pega ao primeiro intento. Duarte e João foram premiados com volta à arena.

Como tem sido habitual no Campo Pequeno, a corrida seguiu sem intervalo, voltando a entrar em praça o cavaleiro António Ribeiro Telles, desta vez frente a um toiro mais pesado, de 624 kg, o “Furioso”. António andou à vontade nesta lide, com bons ferros cravados à tira, sem arriscar muito. Teve uma lide correta e ritmada, ao estilo da dinastia Coruchense. Pelo GFA de Vila Franca de Xira, o forcado Rui Godinho consumou uma das melhores pegas da noite ao primeiro intento. Foram os dois premiados com volta à arena.

Rui Fernandes esteve frente ao toiro mais pesado da noite, um animal bem estruturado de 650 kg. Começou a lide com o Jaguar e conseguiu cravar dois compridos que resultaram bem, nos curtos, com o Artista teve algumas falhas, mas também conseguiu um bom ferro cravado após batida ao piton contrário. Com o HQuiebro no último tércio, conseguiu cravar dois ferros que resultaram bastante bem. Teve direito a música durante a lide. Para a melhor pega da noite, pelo GFA de Montemor, saiu à arena Francisco Borges que consumou a pega ao segundo intento. Na primeira tentativa o grupo não esteve da melhor forma, mas redimiu-se logo a seguir. Tiveram direito a volta o Cavaleiro e o frocado da cara, bem como o primeiro ajuda António Pena Monteiro e a representante da Ganadaria. Os forcados tiveram direito a uma volta extra à arena.

Para terminar a noite, Duarte Pinto esteve frente ao “Esmeraldo” de 604 kg. Conseguiu realizar uma lide irrepreensível! Começou nos compridos da melhor forma, com dois ferros de nota excelente e seguiu para os curtos com bastante confiança. O primeiro, numa sorte de poder a poder resultou muito bem. Duarte Pinto veio a Lisboa demonstrar o toureiro que é e provar o porquê de ter sido triunfador nesta praça no ano de 2018. Nesta segunda lide foi premiado com música. Pelo GFA de Vila Franca de Xira, consumou a pega ao terceiro intento o forcado Francisco Faria.

Terminou assim uma noite de bons toiros, todos com boa apresentação, e com destaque para a bravura dos dois últimos lidados.

Crónica: ANA SILVA

Fotos: ARMANDO ALVES