Periodicidade: Diária - Director: Armando Alves - 23/09/2019.
 
 
PÁSCOA EM SÃO MANÇOS
PÁSCOA EM SÃO MANÇOS
22 de Abril de 2019


A presente obra está protegida ao abrigo do Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos.
A utilização não autorizada pode configurar a prática de um crime de usurpação ou contrafação (arto.s 195o e
196o do CDADC) para além de incorrer em irresponsabilidade civil conducente a um pedido de
indemnização.
© 2019, Armando Alves



O Forcadilhas e Toiros esteve presente!

Decorreu este Domingo de Páscoa, mais uma vez, o tradicional concurso de ganadarias de São Manços, este ano com as ganadarias Palha, Pégoras, Fernandes de Castro, Veiga Teixeira,  Passanha e Canas Vigouroux. O júri dos prémios de Bravura e Apresentação foi constituído pelos críticos taurinos Pedro Guerreiro, Miguel Ortega Cláudio e Bernardo Patinhas. O cartel comporto por cavaleiros jovens, contou com a presença de Francisco Palha, Luís Rouxinol Jr. e António Prates. Os Grupos de Forcados Amadores de São Manços, Real de Moura e Beja ficaram responsáveis pelas pegas da tarde.

Após um minuto de silêncio em memória a Ricardo Chibanga, Francisco Palha abriu a tarde frente a um Canas Vigouroux, de 530 kg. Não esteve na sua melhor forma nos compridos mas melhorou depois, nos ferros curtos. Com um ou dois ferros de destaque, terminou com um cravado após batida ao piton contrário que resultou muito bem, e foi premiado com música e volta à arena.

Rouxinol Jr. esteve frente ao mais bravo da tarde, um Pégoras de 530 kg. Saiu com o Aquiles e cravou dois compridos a sesgo belíssimos. O primeiro curto, numa sorte de violino resultou muito bem. Teve ferros muito bons e uma lide emocionante. Como seria de esperar, foi premiado com música durante a lide e volta à arena.

Ao praticante António Prates saiu em sorte o Fernandes de Castro de 500 kg. Saiu com o Despacito para os compridos. Prates teve um ou outro ferro bom, mas no geral, esta primeira lide foi bastante pausada e faltou-lhe emoção, mas ainda assim mereceu a música durante a atuação e volta à arena no final.

Seguiu-se um intervalo de cerca de 10 minutos, após o qual regressou Francisco Palha à arena para lidar o Veiga Teixeira de 550 kg. Palha teve ferros bons nesta lide, mas ficou um pouco aquém daquilo a que tem acostumado os aficionados portugueses. Foi premiado com música e volta.

Rouxinol Jr. recebeu o seu segundo toiro, um Passanha de 580 kg, com uma sorte gaiola muito bem executada. Levantou a praça de São Manços logo nos ferros compridos, que cravou montado no Gabirú. Com o Douro conseguiu cravar ferros muito bons, incluindo o ferro de palmo com que terminou a sua lide. Luís Rouxinol Jr. veio a São Manços com força e vontade de triunfar depois de ter visto duas corridas canceladas eta temporada, e sem dúvida que conseguiu.

Para terminar a tarde, que já ia longa, António Prates defrontou-se com o toiro da Ganadaria Palha. Saiu com o Suspiro e cravou dois compridos de bom tom. Nos curtos andou bem, mas apenas no final da sua lide conseguiu levar emoção às bancadas ao cravar dois palmitos, um deles em sorte de violino.

Em relação às pegas, o GFA de São Manços pegou os toiros das ganadarias Canas Vigouroux e Veiga Teixeira. O primeiro forcado da cara foi Rui Pelado, que brindou ao público e consumou uma boa pega à primeira tentativa. Para o segundo, o forcado Jorge Valadas consumou também à primeira tentativa a que viria a ser a melhor pega da tarde.

Pelo GFA Real de Moura pegou o toiro Pégoras, um toiro difícil, o forcado Rui Branquinho que apenas conseguiu consumar a pega a sesgo à quarta tentativa, não lhe foi autorizada volta à arena. Para pegar o Passanha, Cláudio Pereira desmanchou a pega ao primeiro intento mas consumou ao segundo.

O GFA de Beja teve uma boa prestação com o Fernandes de Castro e com o Palha. Para o primeiro, o forcado de cara escolhido foi Nuno Vitória que consumou a pega à segunda tentativa, mas realizou uma boa pega. Para o segundo, o escolhido foi Guilherme Santos que consumou a última pega da tarde ao primeiro intento.

A Corrida foi dirigida de forma bastante correta pelo Diretor Agostinho Borges, assessorado por Gonçalo Lúcio no cornetim e pelo médico veterinário Matias Guilherme.

O concurso, venceu a Ganadaria Veiga Teixeira, tanto o prémio de Apresentação como o de Bravura. O público não gostou, e de facto, havia ganadarias que mereciam mais o prémio da Bravura. O público não gostou e demonstrou o seu descontentamento com muitos assobios e vaias aos elementos do Júri.

 

Fotografias de Ana Direito

Texto de Ana Silva